São Paulo
29°C
Rio de Janeiro
28°C
Brasília
28°C
Salvador
31°C
Belo Horizonte
26°C
Fortaleza
31°C
Recife
32°C
Manaus
27°C
Curitiba
29°C
Porto Alegre
28°C
Home >> Último Segundo >> Vice da Câmara de SP diz que Casa não quer briga com Arquidiocese

Vice da Câmara de SP diz que Casa não quer briga com Arquidiocese

Vereador João Jorge disse que o Legislativo paulistano e a Arquidiocese de São Paulo não têm "nada a ganhar se baterem de frente"

por

iG Último Segundo

5 de janeiro de 2024

IG

Lula e padre Júlio LancellottiReprodução/redes sociais

O vereador João Jorge (PSDB), vice-presidente da Câmara Municipal de São Paulo, declarou que o Legislativo paulistano e a Arquidiocese de São Paulo não têm “nada a ganhar se baterem de frente”. Em sua visão, não há benefício nessa discordância.

Em entrevista à coluna Painel, da Folha de São Paulo, ele mencionou que, caso o vereador Rubinho Nunes (União Brasil) persista em associar a CPI das ONGs, proposta por ele em dezembro, ao padre Júlio Lancellotti, irá recorrer ao presidente da Câmara, Milton Leite (União Brasil), buscando evitar a instalação dessa comissão.

A Arquidiocese da Igreja Católica manifestou perplexidade diante da possibilidade de abertura dessa investigação.

Nunes apresentou o requerimento para a CPI em dezembro, com o respaldo de 24 vereadores. Contudo, devido à considerável oposição à CPI, muitos vereadores têm retirado seu apoio. A proposta ainda precisa ser avaliada pelo colégio de líderes e pelo plenário para ser efetivada.

João Jorge frisou sua oposição a qualquer afronta às instituições religiosas. Ele alega ter assinado o pedido de CPI das ONGs sem ter sido informado sobre qualquer ligação com o padre Júlio Lancellotti. Enquanto nas redes sociais e em entrevistas, Rubinho Nunes direciona sua atenção ao padre como alvo principal.

O vereador do PSDB menciona que, caso seu colega insista em direcionar a CPI contra o padre, ele pode solicitar a retirada de sua assinatura, apoiando a criação da comissão.

O padre Júlio Lancellotti afirmou que não faz parte de nenhuma ONG e não possui envolvimento com projetos que utilizam recursos públicos, questionando a razão para ser alvo de investigação. Ele destaca que suas ações estão vinculadas à arquidiocese, uma entidade que não se enquadra como ONG ou possui convênios com a prefeitura, não havendo uso de recursos públicos em suas atividades.

Ele enfatiza que a função da Câmara é fiscalizar verbas públicas e não há embasamento para uma CPI que vise fiscalizar a igreja.  

arquidiocese briga Padre Júlio São Paulo

Esteja sempre por dentro!

Assine nossa newsletter e receba as principais informações em seu e-mail.