São Paulo
24°C
Rio de Janeiro
26°C
Brasília
22°C
Salvador
29°C
Belo Horizonte
25°C
Fortaleza
26°C
Recife
27°C
Manaus
25°C
Curitiba
22°C
Porto Alegre
24°C
Home >> Último Segundo >> Quaest: 84% dos brasileiros são contra prisão de mulheres que abortam

Quaest: 84% dos brasileiros são contra prisão de mulheres que abortam

72% dos brasileiros são contra legalizar o aborto

por

Naian Lucas Lopes

24 de dezembro de 2023

IG

Protesto realizado em 2012, época em que foi aprovada a extensão do direito ao aborto em casos de anencefaliaJosé Cruz/Agência Brasil

Uma recente pesquisa realizada pela Quaest revelou que a sociedade brasileira mantém uma postura majoritariamente conservadora em relação à legalização do aborto.

Com 72% dos entrevistados manifestando contrariedade à legalização, e apenas 25% se mostrando favoráveis, o estudo reflete a predominância de uma visão tradicional sobre o tema.

No entanto, um dado surpreendente emerge ao abordar a questão da punição para mulheres que praticam o aborto. Embora a maioria dos entrevistados seja contrária à legalização, 84% acreditam que as mulheres que realizam abortos não devem ser presas.

Essa postura antipunitivista revela uma complexidade na percepção da sociedade brasileira sobre o assunto, indicando que a oposição à legalização não necessariamente se traduz em um apoio à punição das mulheres envolvidas.

Felipe Nunes, presidente da Quaest, observa essa aparente contradição, destacando a postura conservadora geral da sociedade, mas ressaltando a notável tendência antipunitivista quando se trata do aborto.

Esse fenômeno evidencia uma nuance no posicionamento dos brasileiros, indicando que o debate sobre o aborto vai além de uma dicotomia simples entre apoio e oposição à legalização.

O contexto atual é marcado pelo debate em torno do tema, impulsionado pelas recentes declarações do presidente do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso. Barroso afirmou que não tem a intenção de pautar a discussão sobre o aborto em curto prazo.

Esta decisão ocorre enquanto o STF julga uma ação do PSOL, iniciada em setembro, que busca a descriminalização do aborto.

A ministra Rosa Weber já se posicionou a favor da descriminalização, mas Barroso solicitou a transferência do caso para o plenário presencial, alegando que o tema ainda não está devidamente “amadurecido” na sociedade.

O presidente do STF destaca a diferença crucial entre ser contra o aborto e acreditar que as mulheres que praticam tal ato devem ser presas. Barroso enfatiza o apoio a uma postura não punitiva.

aborto Quaest

Esteja sempre por dentro!

Assine nossa newsletter e receba as principais informações em seu e-mail.