São Paulo
17°C
Rio de Janeiro
23°C
Brasília
23°C
Salvador
28°C
Belo Horizonte
20°C
Fortaleza
28°C
Recife
29°C
Manaus
25°C
Curitiba
13°C
Porto Alegre
18°C
Home >> Último Segundo >> ONU aponta indícios de que Hamas fez crimes sexuais contra israelenses

ONU aponta indícios de que Hamas fez crimes sexuais contra israelenses

Relatório foi produzido por uma equipe da ONU sobre 7 de outubro

por

Naian Lucas Lopes

5 de março de 2024

IG

Grupo terrorista Hamas atacou Israel em 7 de outubro de 2023Reprodução: Flipar

Nesta segunda-feira (4), um grupo de especialistas das Nações Unidas declarou que existem “motivos razoáveis” para acreditar que o grupo terrorista Hamas cometeu estupro e comportamento cruel contra mulheres durante um ataque ocorrido em 7 de outubro.

O conflito entre o Hamas e o governo de Israel tem sido marcado por episódios de violência e tensão, e este relatório da ONU lança luz sobre uma dimensão particularmente sombria do conflito.

Segundo o relatório de 24 páginas produzido pela ONU, foram encontradas “informações circunstanciais críveis, que podem ser indicativas de algumas formas de violência sexual, incluindo mutilação genital, tortura sexual ou tratamento cruel, desumano e degradante.”

As investigações apontam que vários reféns levados para Gaza foram submetidos a diferentes formas de violência sexual relacionadas ao conflito.

O relatório destaca a existência de corpos, principalmente de mulheres, encontrados parcialmente ou totalmente nus da cintura para baixo, com sinais de agressão física, muitas vezes na cabeça, e as mãos amarradas.

“A equipe da missão encontrou informações claras e convincentes de que alguns reféns levados para Gaza foram submetidos a várias formas de violência sexual relacionadas ao conflito e tem motivos razoáveis para acreditar que essa violência possa estar acontecendo”, diz o relatório da ONU.

Essas conclusões são resultado de uma análise detalhada realizada ao longo de cinco meses sobre o ataque do Hamas em 7 de outubro, que resultou na morte de 1,2 mil pessoas e deixou 250 em situação de reféns.

Enquanto o relatório foi entregue à ONU, o grupo terrorista Hamas negou as acusações de violência sexual.

Ao mesmo tempo, a ONU também está investigando a possibilidade de soldados israelenses terem cometido crimes sexuais na Cisjordânia, em um esforço para esclarecer os eventos e responsabilidades em ambos os lados do conflito.

Hamas Israel ONU

Esteja sempre por dentro!

Assine nossa newsletter e receba as principais informações em seu e-mail.