São Paulo
22°C
Rio de Janeiro
26°C
Brasília
22°C
Salvador
29°C
Belo Horizonte
22°C
Fortaleza
29°C
Recife
29°C
Manaus
25°C
Curitiba
20°C
Porto Alegre
27°C
Home >> Último Segundo >> Meta diz ao STF não ter como recuperar vídeo de Bolsonaro sobre 8/1

Meta diz ao STF não ter como recuperar vídeo de Bolsonaro sobre 8/1

Moraes pediu vídeo com teor golpista publicado pelo ex-presidente e posteriormente deletado

por

iG Último Segundo

8 de dezembro de 2023

IG

Ex-presidente Jair BolsonaroO Tribunal Superior Eleitoral (TSE) condenou pela segunda vez o ex-presidente Jair Bolsonaro à inelegibilidade até 2030.

A Meta, proprietária do Facebook, informou ao ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), que é “impossível materialmente” fornecer à corte o vídeo publicado na noite de 10 de janeiro nas redes sociais do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), dois dias após os ataques ocorridos em 8 de janeiro. No vídeo, o presidente questiona as urnas eletrônicas e dissemina informações falsas sobre as eleições. O ex-presidente deletou o vídeo pouco depois de publicá-lo.

O conteúdo é considerado pela PGR (Procuradoria-Geral da República) como a prova crucial para a apresentação da denúncia contra Bolsonaro por incitação ao crime, em virtude dos ataques golpistas direcionados às sedes dos três Poderes em 8 de janeiro.

Em ofício enviado nesta quinta-feira (7) a Moraes e obtido pela Folha de são Paulo, a Meta afirmou que “o cumprimento da obrigação é materialmente impossível, uma vez que o vídeo objeto da r. ordem foi deletado e não está mais disponível nos servidores da empresa”.

A empresa afirma ainda que apesar de a ordem para manutenção do material ter sido dada ainda em janeiro, o pedido não foi intimado pelo gabinete do ministro à época da decisão.

“Cumpre informar que a Meta Plataforms nunca recebeu o ofício em referência e desconhecia a r. ordem judicial determinando a preservação do vídeo”, afirmou, em ofício assinado por advogados do escritório Davi Tangerino.

A Meta informou ainda que, sob um alegado reforço de seu “desígnio cooperativo”, representantes da empresa se reuniram com o subprocurador Carlos Frederico Santos para expor a situação. Santos é responsável pelo grupo da PGR encarregado das investigações sobre o 8 de janeiro.

Bolsonaro é acusado do crime de incitação, que pode resultar em acusação contra Bolsonaro, é estipulado pelo artigo 286 do Código Penal, com uma pena de detenção entre 3 e 6 meses.

A Procuradoria alega que já existem indícios suficientes para formalizar a acusação, mas busca utilizar como prova o material que a empresa Meta afirma não estar mais disponível.

O vídeo compartilhado por Bolsonaro mostrava um homem identificado como Dr. Felipe Gimenez, criticando a segurança das urnas eletrônicas. Na publicação, havia declarações como “Lula não foi eleito pelo povo. Ele foi escolhido e eleito pelo STF e TSE [Tribunal Superior Eleitoral]”.

Na segunda-feira (4), a Procuradoria reafirmou o pedido de acesso ao conteúdo em um documento enviado ao STF, exigindo um prazo de 48 horas para que a obrigação fosse cumprida.

No dia seguinte, o ministro Moraes ordenou que a empresa disponibilizasse o conteúdo dentro de 48 horas, sob pena de multa diária de R$ 100 mil.

“O Ministério Público Federal se manifestou no sentido de que o material solicitado à empresa META INC é crucial para que o autor da ação penal possa formalizar a acusação contra o ex-presidente da República Jair Messias Bolsonaro”, afirmou o ministro.

A publicação é considerada crucial pelo grupo liderado por Santos, que alega que os simpatizantes bolsonaristas envolvidos nos ataques foram influenciados por teorias conspiratórias que questionaram a vitória eleitoral do presidente Lula (PT).

Em depoimento à Polícia Federal em abril, Bolsonaro afirmou que o vídeo foi publicado por engano, enquanto estava sob efeito de medicamentos. Essas justificativas foram dadas no contexto do inquérito que investiga os responsáveis intelectuais pelos ataques.

O advogado do ex-presidente, Paulo Cunha Bueno, declarou na ocasião que o vídeo foi postado enquanto Bolsonaro tentava transferi-lo para seu arquivo no WhatsApp, com a intenção de assisti-lo posteriormente. Também salientou que, nesse período, o ex-presidente estava internado em um hospital em Orlando (nos Estados Unidos) devido a uma crise de obstrução intestinal e recebeu tratamento com morfina.

bolsonaro meta moraes publicação stf video

Esteja sempre por dentro!

Assine nossa newsletter e receba as principais informações em seu e-mail.