São Paulo
15°C
Rio de Janeiro
22°C
Brasília
18°C
Salvador
27°C
Belo Horizonte
19°C
Fortaleza
27°C
Recife
26°C
Manaus
24°C
Curitiba
11°C
Porto Alegre
10°C
Home >> Último Segundo >> Macron pede moderação a Israel após morte de número 2 do Hamas

Macron pede moderação a Israel após morte de número 2 do Hamas

Presidente francês conversou com Benny Gantz, ministro de Israel

por

iG Último Segundo

3 de janeiro de 2024

IG

Emmanuel MacronRicardo Stuckert – 22.05.2023

O presidente francês, Emmanuel Macron, pediu nesta quarta-feira (3) que Israel tenha moderação e expressou preocupação com a escalada da violência, especialmente na fronteira com o Líbano. Macron conversou com Benny Gantz, ministro israelense e membro do gabinete de guerra.

A ação militar israelense que resultou no assassinato de Saleh al-Arouri em Beirute, o vice-líder político do Hamas, gerou reações imediatas. O porta-voz do Exército israelense, Daniel Hagari, afirmou nesta terça-feira (2) que o país está “preparado para qualquer cenário” e mantém o foco na “luta contra o grupo terrorista”.

O ataque com drone ocorreu no sul de Beirute, área conhecida como reduto do Hezbollah. Além de al-Arouri, outros seis membros do Hamas foram mortos. Mesmo assim, o conselheiro sênior do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, Mark Regev, disse que “Israel não assumiu a responsabilidade pelo ataque”.

Macron também enfatizou a urgência em conter a emergência humanitária em Gaza e ressaltou a responsabilidade de Israel na proteção dos civis. O líder francês destacou a necessidade de um esforço conjunto, incluindo parceiros regionais e internacionais, para alcançar um cessar-fogo duradouro.

Macron também salientou que é necessário “agir para obter um cessar-fogo duradouro, com a ajuda de todos os parceiros regionais e internacionais”, acrescentou.

Desde o início do confronto entre Israel e o Hamas em outubro passado, as tensões aumentaram na região. Disparos contra bases americanas, as tensões na fronteira entre Israel e Líbano, Síria e Iraque, além dos ataques no Mar Vermelho, evidenciam o clima de instabilidade.

O líder do Hamas, Ismaïl Haniyeh, assegurou a resiliência do movimento.

“Um movimento cujos líderes e fundadores caem como mártires em nome da dignidade do povo e de nossa nação nunca será derrotado”, afirmou Haniyeh em um discurso na TV. “Essa é a história da resistência e do movimento que, após o assassinato de seus líderes, torna-se ainda mais forte e mais determinado”, declarou.

O Hezbollah, grupo armado libanês, reagiu ao ataque afirmando que o assassinato de al-Arouri não ficará sem resposta. O movimento tem realizado ataques diários a partir do sul do Líbano contra Israel, intensificando as tensões na região.

“Assassinar Saleh al-Arouri no subúrbio do sul de Beirute é uma grave agressão contra o Líbano (…) e não ficará impune ou sem resposta”, disse o Hezbollah, em um comunicado. O grupo xiita libanês faz há quase três meses ataques diários contra Israel a partir do sul do Líbano.

Em meio às tensões, o ministro da Segurança Nacional de Israel, Itamar Ben Gvir, defendeu a saída em massa dos palestinos de Gaza, causando controvérsia e gerando críticas dos EUA sobre suas declarações, que consideraram “irresponsáveis”.

“Os Estados Unidos são nossos amigos, mas, acima de tudo, faremos o que é bom para o Estado de Israel: incentivar a emigração de centenas de milhares de pessoas de Gaza e permitir que os residentes (israelenses) retornem às suas casas (nos limites de Gaza) e vivam em segurança, protegendo nossos soldados”, escreveu Ben Gvir na rede social X, em resposta às críticas americanas.

França Guerra Hamas Israel Líbano macron

Esteja sempre por dentro!

Assine nossa newsletter e receba as principais informações em seu e-mail.