São Paulo
17°C
Rio de Janeiro
22°C
Brasília
17°C
Salvador
25°C
Belo Horizonte
17°C
Fortaleza
26°C
Recife
26°C
Manaus
27°C
Curitiba
15°C
Porto Alegre
18°C
Home >> Último Segundo >> Lula veta partes de projeto que modifica regras para agrotóxicos

Lula veta partes de projeto que modifica regras para agrotóxicos

De acordo com informantes do Palácio do Planalto, Lula já assinou os vetos, e a decisão deverá ser publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira

por

iG Último Segundo

28 de dezembro de 2023

IG

Lula Reprodução

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) decidiu vetar segmentos de onze artigos do projeto que flexibiliza as normas para o licenciamento de agrotóxicos no país. Segundo o jornal O GLOBO, fontes próximas ao presidente afirmam que Lula acatou as demandas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o qual identificou na nova regulamentação uma potencial concessão de poderes excessivos ao Ministério da Agricultura.

Conhecido como “PL do Veneno” entre os ambientalistas, o projeto de lei atribui à pasta liderada por Carlos Fávaro a responsabilidade de autorizar e supervisionar os produtos registrados que sofram alterações em sua composição química. As mudanças nas formulações de defensivos agrícolas são frequentes no mercado.

Com os vetos, a intenção é que o Ibama e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) continuem a desempenhar o papel de avaliar os impactos ambientais e de saúde, mantendo o mesmo poder de veto da Agricultura antes da aprovação de um produto modificado.

De acordo com informantes do Palácio do Planalto, Lula já assinou os vetos, e a decisão deverá ser publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira, acompanhada da sanção parcial da iniciativa.

Durante a tramitação do projeto, divergências internas surgiram no governo Lula, com Carlos Fávaro e a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, em lados opostos.

No Senado, o relator do projeto foi o senador governista Fabiano Contarato (PT-ES). A proposta foi aprovada pela Casa no final do mês passado e enviada para a sanção de Lula.

Durante a transição de governo, a medida gerou controvérsia entre as equipes. Na época, membros da área ambiental mobilizaram-se para impedir a votação do projeto.

Após mais de duas décadas de debates, ao longo de 2023, os principais esforços para sua aprovação foram liderados pela ex-ministra de Jair Bolsonaro, a senadora Tereza Cristina (PP-MS), e pela bancada ruralista.

Em consonância com o veto principal, o presidente também vetou uma seção que tratava da “complementaridade” na reavaliação realizada pela Anvisa e pelo Ibama, o que poderia resultar em decisões sobre agrotóxicos sem uma base técnico-científica, de acordo com o órgão ambiental.

Outro artigo que abordava a “coordenação” das análises de risco pelo Ministério da Agricultura também foi suprimido, assim como um trecho que concedia à pasta o poder de conceder autorizações para agrotóxicos enquanto a reanálise de risco não fosse concluída.

Lula também rejeitou uma parte que, segundo o governo, poderia incentivar o reaproveitamento de embalagens de agrotóxicos e promover a “desinformação” sobre o produto. Para embasar os vetos, Lula consultou não só o Ibama, mas também os Ministérios do Meio Ambiente, Fazenda, Trabalho, Saúde, Desenvolvimento Agrário, Planejamento e a Advocacia-Geral da União (AGU).

decreto Lula partes pl do veneno vetos

Esteja sempre por dentro!

Assine nossa newsletter e receba as principais informações em seu e-mail.