São Paulo
17°C
Rio de Janeiro
22°C
Brasília
17°C
Salvador
25°C
Belo Horizonte
17°C
Fortaleza
26°C
Recife
26°C
Manaus
27°C
Curitiba
15°C
Porto Alegre
18°C
Home >> Último Segundo >> Israel prevê retirada de parte das tropas deslocadas para Gaza

Israel prevê retirada de parte das tropas deslocadas para Gaza

Guerra atinge a marca de três meses e custos financeiros e humanitários aumentam pressão sobre Israel

por

iG Último Segundo

1 de janeiro de 2024

IG

Visita do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, à unidade Yalam do Corpo de EngenhariaKobi Gideon, GPO – 26.10.2023

O Exército de Israel comunicou nesta segunda-feira (1º) sua decisão de iniciar a retirada de milhares de soldados deslocados para a Faixa de Gaza, pelo menos de forma temporária. Este anúncio representa o maior recuo divulgado publicamente desde o início do conflito em outubro.

As Forças Armadas mencionaram o impacto na economia israelense após três meses de intensa mobilização em um conflito sem perspectiva de término à vista. Israel já vinha contemplando a redução de suas operações, enquanto os Estados Unidos, seu principal aliado, pressionavam pela tomada dessa decisão o mais rápido possível. Isso ocorre em um momento em que o número de mortes em Gaza continua a aumentar. Desde outubro, mais de 21 mil pessoas foram mortas no território palestino, de acordo com autoridades de saúde locais. Esse número inclui mais de 150 mortes apenas nas últimas 24 horas.

O porta-voz militar, Daniel Hagari, enfatizou que a decisão de desmobilizar parte dos soldados não implica em qualquer mudança nas intenções de Israel de prosseguir com as operações, e não fez menção aos pedidos dos Estados Unidos. Ele ressaltou ainda que alguns dos soldados que estão retornando para casa serão convocados novamente no próximo ano para cumprir serviço no Exército. Enquanto isso, os confrontos ao redor de Gaza permanecem intensos.

Segundo um comunicado das Forças Armadas, reservistas de pelo menos duas brigadas iniciarão seu retorno nesta semana, enquanto três brigadas voltarão para realizar treinamento. Estas brigadas podem incluir até quatro mil soldados, no entanto, não há um número oficial divulgado sobre a quantidade de militares presentes em Gaza.

“Essa movimentação deve aliviar de forma significativa os impactos econômicos e permitir que eles [tropas] ganhem força para atividades no próximo ano”, disseram os militares, em comunicado.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, deve retornar para Israel ainda em janeiro para tratar sobre a guerra, de acordo com o Tje New York Times, que ouviu fontes do governo. Na semana passada, em Washington, ao lado de Jake Sullivan, conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Blinken se reuniu com um assessor do primeiro-ministro de Israel, Bejamin Netanyahu. Os três discutiram a transição para uma fase diferente da guerra, para “maximizar o foco em alvos de grande importância do Hamas”, disse a fonte.

Israel retaliou o Hamas após um ataque liderado pelo grupo armado palestino resultar na morte de 1,2 mil pessoas em 7 de outubro. Autoridades israelenses relataram mais de 240 pessoas feitas reféns. Em resposta, Israel lançou uma campanha para remover o controle do Hamas sobre Gaza, mobilizando 350 mil reservistas.

A convocação gerou problemas econômicos adicionais para milhares de palestinos que deixaram suas casas próximas à fronteira com Gaza após os ataques. O Centro Taub de Estudos de Políticas Sociais, um centro de estudos israelense, previu uma retração de 2% na economia israelense no último trimestre de 2023. Segundo o centro, muitos abandonaram seus empregos para servir na linha de frente ou fecharam seus negócios nas cidades.

Líderes israelenses continuam a afirmar que o público deve se preparar para uma longa campanha militar, ao mesmo tempo em que críticos expressaram ceticismo sobre o alegado objetivo de eliminar o Hamas.

“Os objetivos da guerra requerem uma luta prolongada, e estamos nos preparando de acordo”, disse Hagari em entrevista coletiva na noite de domingo.

Eepresentantes do governo israelense, no entanto, afirmam que a guerra está sofrendo uma transição para uma nova fase, que teria mais ataques direcionados contra o Hamas do que uma invasão terrestre, como a que acontece hoje.

Na Faixa de Gaza, cerca de três meses de conflito fizeram com que aproximadamente 85% dos dois milhões de residentes abandonassem suas residências, conforme indicado pela ONU. Muitos agora buscam refúgio nas áreas cada vez menores consideradas seguras, localizadas no sul do território. Hospitais e escolas tornaram-se refúgios comuns, onde encontrar comida e água diariamente se tornou um desafio constante.

Os confrontos prosseguiram na segunda-feira, com o Hamas assumindo autoria de um ataque com mísseis pouco depois da meia-noite, levando centenas de pessoas a buscar abrigos na região central de Israel.

As forças israelenses também realizaram ataques em Gaza, atingindo alvos no norte e no centro do território, conforme declarado pelos militares nesta segunda-feira. Eles afirmaram que o objetivo desses ataques era um comandante militar do Hamas. Não houve confirmação do grupo palestino.

 

 

Faixa de Gaza Guerra Israel retirada tropas

Esteja sempre por dentro!

Assine nossa newsletter e receba as principais informações em seu e-mail.