São Paulo
21°C
Rio de Janeiro
25°C
Brasília
22°C
Salvador
29°C
Belo Horizonte
22°C
Fortaleza
29°C
Recife
29°C
Manaus
26°C
Curitiba
20°C
Porto Alegre
26°C
Home >> Último Segundo >> Israel prevê guerra com Hamas até fevereiro e custo de R$ 68 bilhões

Israel prevê guerra com Hamas até fevereiro e custo de R$ 68 bilhões

Primeiro-ministro israelense garante manutenção do conflito até conquistar a vitória e Ministério da Finança prevê déficit triplicado com ataques

por

iG Último Segundo

25 de dezembro de 2023

IG

No bairro de Shijaiyah, em Gaza, diversos confrontos aconteceram no começo do mêsReprodução/Twitter

O governo de Israel estimou nesta segunda-feira (25) que o conflito contra o Hamas deverá durar pelo menos até fevereiro e deverá triplicar o déficit orçamentário do país. Segundo o Ministério das Finanças, o conflito deverá custar mais US$ 14 bilhões, cerca de R$ 68 bilhões, aos cofres públicos.

Atualmente, a dívida do país atinge 2,2% do Produto Interno Bruto (PIB), mas deverá alçar o patamar de 5,9% em dois meses. Para conseguir manter a saúde financeira do país estável, o governo estuda meios de aumentar impostas e tomar outras medidas impopulares, como reajuste de valores de produtos essenciais.

Em pronunciamento ao Parlamento, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu declarou que o conflito deverá se manter até a vitória de Israel. Netanyahu ainda pediu “mais tempo” para libertar reféns em poder do Hamas, mesmo após a pressão de familiares para avançar com as negociações de trégua.

“Não podemos parar a guerra enquanto não alcançarmos a vitória contra os que atacam as nossas vidas. Não vamos parar até a vitória”, disse.

“Não vamos parar de lutar, mas precisamos de tempo”, declarou o premiê.

Nesta semana, o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou uma resolução que aprova uma trégua no conflito entre Israel e Hamas. A proposta foi sugerida pelos Emirados Árabes Unidos e teve abstenções dos Estados Unidos e Rússia.

A medida prevê maior ajuda humanitária em Gaza, além de pedir medidas para reduzir as hostilidades e encontrar meios para um fim “sustentável” do conflito. O texto também pede a nomeação de um coordenador humanitário para organizar as entregas de insumos humanitários à Faixa de Gaza.

Entretanto, o exército de Israel ignorou a resolução e manteve os bombardeios na manhã de sábado (23) na Faixa de Gaza. Segundo o Hamas, 18 pessoas morreram após um atentado ao campo de refugiados de Nuseirat, no centro de Gaza.

No dia anterior, Israel já havia bombardeado um edifício que deixou 76 pessoas de uma mesma família mortos. Segundo a Defesa Civil de Gaza, o ataque foi o mais mortífero do conflito com os israelenses.

Guerra em Gaza mundo

Esteja sempre por dentro!

Assine nossa newsletter e receba as principais informações em seu e-mail.