São Paulo
18°C
Rio de Janeiro
21°C
Brasília
13°C
Salvador
26°C
Belo Horizonte
16°C
Fortaleza
24°C
Recife
25°C
Manaus
26°C
Curitiba
16°C
Porto Alegre
18°C
Home >> Último Segundo >> Homem agride mulher em restaurante: "Achou que eu era trans"

Homem agride mulher em restaurante: "Achou que eu era trans"

Mulher estava saindo do banheiro feminino quando foi abordada por agressor

por

Naian Lucas Lopes

24 de dezembro de 2023

IG

Homem agrediu mulher em restauranteReprodução/Twitter

Na madrugada deste domingo (24), ocorreu uma agressão em um restaurante no Recife, especificamente no Guaiamum Gigante, no bairro de Parnamirim, Zona Norte da cidade pernambucana.

Segundo relatos, uma mulher de 34 anos foi vítima de agressão após sair do banheiro feminino. O agressor, desconhecido para a vítima, a abordou questionando sua identidade de gênero e, sem provocação aparente, desferiu um soco em seu rosto.

“Ele pensou que eu era uma mulher trans usando o banheiro feminino. E ele estava com muito ódio, com muita raiva. […] Após levar o murro, eu não caí, fiquei em pé, e então consegui correr. A minha reação foi correr e gritar que eu tinha sido agredida”, revelou a mulher em entrevista ao G1.

Imagens registradas por clientes presentes no restaurante mostram a confusão que se seguiu durante a presença do agressor. A vítima relatou que o gerente do Guaiamum Gigante facilitou a saída do agressor do local, “escoltando-o” para fora do estabelecimento.

A agressão resultou em lesões no rosto da vítima, além de ter quebrado os óculos que ela estava usando no momento do incidente.

Em nota publicada nas redes sociais, o restaurante Guaiamum Gigante confirmou ter retirado o agressor do local para “resguardar a integridade física e psicológica” da vítima e dos demais clientes.

As autoridades foram acionadas, e a Polícia Militar compareceu ao local. No entanto, o suspeito já havia deixado o restaurante quando os agentes chegaram. O caso foi registrado como lesão corporal pela Central de Plantões da Capital (Ceplanc) da Polícia Civil.

“Existiam tantas pessoas me defendendo, me protegendo, que ele não ia conseguir mais me agredir, mas ele precisava estar lá para quando a polícia chegasse, e ele não estava. A saída dele foi facilitada pela equipe do bar, enquanto que o meu acolhimento foi todo feito por clientes e pelos meus amigos, que estavam na mesa comigo”, comentou a vítima, que optou por não se identificar.

agressão crime MISOGNIA Recife Transfobia

Esteja sempre por dentro!

Assine nossa newsletter e receba as principais informações em seu e-mail.