São Paulo
14°C
Rio de Janeiro
21°C
Brasília
22°C
Salvador
26°C
Belo Horizonte
25°C
Fortaleza
26°C
Recife
26°C
Manaus
26°C
Curitiba
10°C
Porto Alegre
14°C
Home >> Último Segundo >> Egito deixa mediação da guerra após morte de número 2 do Hamas

Egito deixa mediação da guerra após morte de número 2 do Hamas

Israel não assumiu autoria do ataque que matou Saleh Al-Arouri; Hezbollah promete retaliação pelo assassinato

por

iG Último Segundo

3 de janeiro de 2024

IG

Saleh Al-Arouri, número dois do HamasReprodução/redes sociais

O governo do Egito anunciou ter informado Israel oficialmente que congelou seu papel de mediador na guerra entre o país e o Hamas após o assassinato do número 2 do grupo extremista islâmico, Saleh Al-Arouri, disseram fontes egípcias à TV Kan israelense.

Um ataque com drone matou o segundo na hierarquia do braço político do grupo armado palestino Hamas nessa terça-feira (2). O bombardeio atingiu um escritório do grupo fundamentalista em Beirute, no Líbano, resultando em 11 feridos e seis mortos.

Al-Arouri, vice de Ismail Haniyeh desde 2017, era também responsável pelas operações na Cisjordânia, território ocupado por Israel desde 1967. Ele era cofundador das Brigadas Izzedine Al-Qassam, a ala militar do Hamas.

O Hamas afirmou que o assassinato de al-Arouri não irá deter a “resistência”. Ezzat al Rishq, membro do escritório político do Hamas, enfatizou que os ataques do “ocupante sionista” contra líderes palestinos não quebrarão a resistência do povo.

“Os assassinatos covardes cometidos pelo ocupante sionista contra os líderes e símbolos do nosso povo palestino dentro e fora da Palestina não vão conseguir quebrar nem a vontade nem a resiliência do nosso povo, nem entorpecer a continuação de sua corajosa resistência”, declarou, por meio de nota, Ezzat al Rishq, membro do escritório político do Hamas.

Aliado do Hamas, o grupo fundamentalista libanês Hezbollah, disse que o ocorrido “não ficará impune”.

“Nós, o Hezbollah, afirmamos que este crime não ficará sem resposta nem impune”, afirmou o grupo libanês em um comunicado. “Consideramos que o crime de assassinar o xeque Saleh al Arouri […] no coração do subúrbio sul de Beirute é um grave ataque contra o Líbano […] e um acontecimento perigoso no curso da guerra”, diz o grupo.

Em declaração à MSNBC, no entanto, o conselheiro sênior do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, Mark Regev, disse que “Israel não assumiu a responsabilidade pelo ataque”.

conflito egito Faixa de Gaza Gaza Guerra Hamas Hezbollah Israel Oriente Médio Saleh AlArouri

Esteja sempre por dentro!

Assine nossa newsletter e receba as principais informações em seu e-mail.