São Paulo
24°C
Rio de Janeiro
26°C
Brasília
22°C
Salvador
29°C
Belo Horizonte
25°C
Fortaleza
26°C
Recife
27°C
Manaus
25°C
Curitiba
22°C
Porto Alegre
24°C
Home >> Último Segundo >> CPI das ONGs: Thammy diz que retirará assinatura por Júlio Lancelotti

CPI das ONGs: Thammy diz que retirará assinatura por Júlio Lancelotti

O vereador afirma que nome do religioso não estava no requerimento e alega ter sido "vítima de fake news"

por

iG Último Segundo

4 de janeiro de 2024

IG

Thammy MirandaReprodução

O vereador de São Paulo Thammy Miranda (PL-SP) afirmou nesta quinta-feira (4) que irá retirar sua assinatura da CPI das ONGs na Câmara da capital. Segundo ele, o motivo seria não ter sido avisado que a apuração teria como alvo o padre Júlio Lancellotti, da Paróquia de São Miguel Arcanjo, na Cracolândia, localizada na região central da capital. 

Em nenhum momento foi citado o nome do padre no requerimento, se tivesse jamais teria assinado porque defendo o trabalho dele. O padre está lá para ajudar as pessoas, estamos do mesmo lado. O que está acontecendo é uma grande fake news, o vereador está fazendo campanha política em cima”, disse ele em entrevista ao jornal O GLOBO.   Ele também elogiou o trabalho do padre, e diz que esperava contar com seu apoio nesta recuperação humanitária:

“Acredito que 90% dos vereadores que assinaram não são contra o padre, assinaram com a intenção de proteger os usuários e as pessoas que moram em torno. Nossa intenção é de proteger e inclusive com a ajudar do padre”, disse Thammy Miranda.

O vereador do PL, partido do ex-presidente Jair Bolsonaro e base do prefeito Ricardo Nunes, se contrapõe à imagem de parlamentar conservador, destacando seu interesse em auxiliar e zelar pelas pessoas.

“Gosto de ajudar e cuidar das pessoas. Acredito que viemos ao mundo para servir”, justificou. 

Nesta manhã, o nome do vereador tornou-se um dos assuntos mais discutidos no X (antigo Twitter), em meio a acusações de traição ao padre. Essas acusações surgiram pois, em agosto de 2020, Júlio Lancellotti defendeu Thammy publicamente. Naquela ocasião, políticos de extrema-direita, como o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), atacaram o filho de Gretchen por sua participação em uma campanha de Dia dos Pais da marca Natura.

“O que ofende a tal moral cristã? O pai trans que cuida de seu filho? Ou o abandono, a fome, o desrespeito, o veto ao auxílio emergencial às mães que criam seus filhos sozinhas?”, questionou o líder religioso em resposta aos ataques transfóbicos.

CPI das ONGs:

A proposta para a criação da comissão parte do vereador Rubinho Nunes (União Brasil) e tem como principal foco duas entidades dedicadas ao trabalho comunitário para a população de rua e dependentes químicos na região: o Centro Social Nossa Senhora do Bom Parto (Bompar) e o coletivo Craco Resiste.

Nunes acusa o religioso de fazer parcerias com elas. Ao GLOBO, o vereador disse receber “inúmeras denúncias” sobre a atuação de várias ONGs no Centro de São Paulo, que dão alimentos, mas não realizam o acolhimento dos vulneráveis:

“Existe uma chamada máfia da miséria para obter ganhos por meio da boa-fé da população e isso não é ético e nem moral. O padre Júlio é o verdadeiro cafetão de miséria em São Paulo. A atuação dele retroalimenta a situação das pessoas. Não é só comida e sabonete que vai resolver a situação.”

Em suas redes sociais, Padre Júlio Lancellotti negou qualquer relação com as entidades.

“Esclareço que não pertenço a nenhuma Organização da Sociedade Civil ou Organização Não Governamental que utilize de convênio com o Poder Público Municipal. A atividade da Pastoral de Rua é uma ação pastoral da Arquidiocese de São Paulo, que por sua vez, não se encontra vinculada de nenhuma forma, as atividades que constituem o objetivo do requerimento aprovado para criação da CPI em questão”, disse em nota.

Câmara CPI das ONGs prade julio lancelotti São Paulo thammy miranda

Esteja sempre por dentro!

Assine nossa newsletter e receba as principais informações em seu e-mail.