São Paulo
20°C
Rio de Janeiro
25°C
Brasília
21°C
Salvador
27°C
Belo Horizonte
21°C
Fortaleza
26°C
Recife
28°C
Manaus
27°C
Curitiba
18°C
Porto Alegre
23°C
Home >> Último Segundo >> Arquidiocese de SP se diz 'perplexa' com CPI para apurar padre Júlio

Arquidiocese de SP se diz 'perplexa' com CPI para apurar padre Júlio

Instituição afirmou que o padre não é parlamentar e faz trabalho voltado para as pessoas em situação de rua na cidade

por

Leticia Moreira

4 de janeiro de 2024

IG

Padre Júlio Lancellotti na Paróquia de São Miguel Arcanjo, na Mooca, zona leste da capitalRovena Rosa/Agência Brasil – 07/03/2023

Arquidiocese de São Paulo disse estar acompanhando com “perplexidade” as notícias sobre a possível abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que teria o padre Júlio Lancellotti, da Paróquia de São Miguel Arcanjo, com um dos alvos.

Em nota divulgada nessa quarta-feira (3), a instituição disse que a possibilidade de abertura de uma CPI “coloca em dúvida” a atuação do padre no serviço pastoral à população em situação de rua.

“Perguntamo-nos por quais motivos se pretende promover uma CPI contra um sacerdote que trabalha com os pobres, justamente no início de um ano eleitoral?”, questionou.

“Padre Júlio não é parlamentar. Ele é o vigário episcopal da Arquidiocese de São Paulo para o ‘Povo da Rua’ e exerce o importante trabalho de coordenação, articulação e animação dos vários serviços pastorais voltados ao atendimento, acolhida e cuidado das pessoas em situação de rua na cidade”, escreveu a assessoria da Arquidiocese.

O comunicado foi emitido após a divulgação da possível instalação da CPI das ONGs, encabeçada pelo vereador de São Paulo Rubinho Nunes (União). O pedido para a abertura da comissão foi protocolado em 6 de dezembro do ano passado e a expectativa é que ela comece em fevereiro, com a retomada das atividades na Câmara Municipal da capital paulista.

Além do padre Júlio Lancellotti, duas entidades devem ser alvos da CPI: o Centro Social Nossa Senhora do Bom Parto (ou Bompar) e o coletivo Craco Resiste, que levanta a bandeira contra a violência policial na cracolândia, como divulgado pelo jornal Folha de S. Paulo.

Nas redes sociais, o padre reconheceu a abertura de CPIs, dizendo ser uma prerrogativa do poder Legislativo, mas destacou que não pertence a nenhuma organização da sociedade civil ou ONG que utilize de convênio com o poder público municipal.

“A atividade da Pastoral de Rua é uma ação pastoral da Arquidiocese de São Paulo, que por sua vez não se encontra vinculada de nenhuma forma às atividades que constituem o objetivo do requerimento aprovado para a criação da CPI em questão”, disse.

Arquidiocese de São Paulo CPI CPI das ONGs ONGs padre padre Júlio Lancellotti São Paulo SP

Esteja sempre por dentro!

Assine nossa newsletter e receba as principais informações em seu e-mail.