São Paulo
23°C
Rio de Janeiro
25°C
Brasília
25°C
Salvador
30°C
Belo Horizonte
26°C
Fortaleza
29°C
Recife
30°C
Manaus
25°C
Curitiba
23°C
Porto Alegre
26°C
Home >> Economia >> Sem reajuste salarial, governo propõe a servidores aumento em auxílios

Sem reajuste salarial, governo propõe a servidores aumento em auxílios

Secretário disse que falta de verba impossibilita aumento

por

Agência Brasil

19 de dezembro de 2023

IG

O presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, e a ministra da Gestão, Esther Dweck, durante anúncio de novos ministros que comporão o governo.Marcelo Camargo/Agência Brasil – 22.12.2022

O governo federal propôs aumentos em auxílios, como alimentação e saúde, sem apresentar proposta de reajuste salarial em 2024 para os servidores do Executivo. Nesta segunda-feira (18), ocorreu a última reunião do ano da Mesa Nacional de Negociação Permanente, do Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI).

O secretário de Relações de Trabalho, José Lopez Feijóo, explicou, em comunicado, que as limitações orçamentárias não permitem avançar na recomposição salarial. Segundo ele, a proposta apresentada já é resultado de “enorme esforço” de negociação da ministra Esther Dweck para abrir espaço no Orçamento da União. 

Feijóo também ressaltou que, em 2023, o governo concedeu um reajuste salarial linear de 9% aos servidores do Executivo. O auxílio-alimentação também aumentou em 43%, passando de R$ 458 para R$ 658 mensais. Segundo Feijóo, proposta já é resultado de “enorme esforço” de negociação da ministra Esther Dweck para abrir espaço no Orçamento.

A proposta apresentada ontem é de reajuste de 52% no auxílio-alimentação a partir de maio de 2024, passando de R$ 658 para R$ 1 mil. Também foi proposto aumento na assistência à saúde complementar per capita média (auxílio-saúde), que hoje é de R$ 144,38, para em torno de R$ 215 (aproximadamente 49%). E, ainda, acréscimo na assistência pré-escolar (auxílio-creche), que passando de R$ 321 para R$ 484,90 (cerca de 51% a mais).

De acordo com o governo, com a medida, o benefício do Executivo passa a se aproximar ao dos demais Poderes, em atendimento à demanda dos servidores. O secretário José Feijóo informou que a preocupação central do governo é uma maior isonomia remuneratória. Como o aumento é sobre benefícios e não sobre o próprio salário, o impacto é maior em que ganha menos.

“É uma proposta que busca maior equilíbrio entre os menores e as maiores remunerações. Estamos em busca de maior proporcionalidade, ao atuarmos contra as disparidades existentes”, esclareceu. Os novos valores foram propostos na Lei Orçamentária do ano que vem e estão para aprovação do Congresso Nacional.

aumento em auxílios Governo. servidores Política sem reajuste salarial

Esteja sempre por dentro!

Assine nossa newsletter e receba as principais informações em seu e-mail.