São Paulo
26°C
Rio de Janeiro
28°C
Brasília
29°C
Salvador
32°C
Belo Horizonte
28°C
Fortaleza
31°C
Recife
33°C
Manaus
28°C
Curitiba
24°C
Porto Alegre
30°C
Home >> Economia >> Responsável pela mina de Maceió, Braskem pode ser vendida; entenda

Responsável pela mina de Maceió, Braskem pode ser vendida; entenda

Fundo árabe está de olho na empresa, alvo de disputa entre Odebrecht e Petrobras

por

Brasil Econômico

11 de dezembro de 2023

IG

Defesa Civil de Maceió mantém estado de ‘alerta máximo’ desde aviso de colapso em uma mina da regiãoReprodução / GloboNews – 04.12.2023

A Braskem, responsável pela mina 18 em colapso em Maceió, há anos está sob os holofotes da venda. A petroquímica é controlada pela Novonor, antiga Odebrecht, em conjunto com a Petrobras. A Novonor detém 50,1% do poder de voto na empresa, com um faturamento anual de R$ 96 bilhões. No entanto, a ideia de negociação da Braskem se intensificou após a Odebrecht enfrentar um turbilhão financeiro decorrente dos escândalos associados à Operação Lava Jato, resultando em sua recuperação judicial com uma dívida de R$ 98,5 bilhões, o maior caso desse tipo no país até então.

A crise da Odebrecht levou à necessidade de alienar sua participação na Braskem, que se tornou um dos principais ativos para a sua recuperação. Ações da petroquímica foram colocadas como garantia para empréstimos na ordem de R$ 14 bilhões a bancos como Santander, Banco do Brasil, BNDES, Bradesco e Itaú.

O conglomerado holandês LyondellBasell, em determinado momento, expressou interesse na aquisição da Braskem, mas recuou em junho de 2019, citando uma análise cuidadosa de riscos. Este movimento ocorreu pouco tempo após o Ministério Público Federal de Alagoas mover uma ação civil pública contra a Braskem, suas controladoras e órgãos reguladores envolvidos na fiscalização das atividades nas minas de Maceió, processo que atualmente vale R$ 27,6 bilhões.

A desistência dos holandeses gerou uma disputa entre a Odebrecht e a Petrobras quanto à estratégia de venda da petroquímica. Enquanto a Petrobras buscava se desfazer dos ativos, a Odebrecht procurava valorizar a empresa antes de qualquer negociação.

Recentemente, a Adnoc, empresa petrolífera de Abu Dhabi, propôs adquirir a parcela da Novonor no negócio por R$ 10,5 bilhões. Adicionalmente, a Petrobras, após mudanças no governo, considera expandir sua participação na Braskem.

Outras propostas pela Braskem partiram da Unipar e da J&F, sem avanços concretos. Atualmente, a empresa é avaliada em cerca de R$ 14,2 bilhões na bolsa, conforme a cotação de 7 de dezembro. A situação se complica com a crise ambiental em Maceió, o que pode dificultar ainda mais a venda.

Braskem economia maceió odebrecht venda

Esteja sempre por dentro!

Assine nossa newsletter e receba as principais informações em seu e-mail.