São Paulo
15°C
Rio de Janeiro
22°C
Brasília
18°C
Salvador
27°C
Belo Horizonte
19°C
Fortaleza
27°C
Recife
26°C
Manaus
24°C
Curitiba
11°C
Porto Alegre
10°C
Home >> Economia >> Caso Ana Hickmann: como proteger seus bens da violência patrimonial

Caso Ana Hickmann: como proteger seus bens da violência patrimonial

Situações semelhantes acontecem em todas as classes sociais; entenda

por

Bruna Correia

6 de dezembro de 2023

IG

Caso Ana Hickmann: como proteger seus bens da violência patrimonialReprodução

A apresentadora Ana Hickmann afirma ter sido vítima de violência patrimonial, além das violências física e psicológicas que contou ter sofrido ao longo do seu relacionamento de 25 anos com Alexandre Correa.

A violência patrimonial pode ocorrer em relacionamentos afetivos, casamentos e relações familiares. E envolve controle, destruição, retenção ou apropriação de bens materiais. É considerada um dos cinco tipos de violência previstos na Lei Maria da Penha, que foi criada para proteger as vítimas de agressões domésticas.

A apresentadora disse que o ex-marido destruiu seu patrimônio e o acusou de falsificar assinaturas. “Encontrei no escritório dele, na nossa empresa, cheques com assinaturas minhas que eu não assinei”, disse.

O marido de Ana Hickmann, teria deixado um rombo de R$ 40 milhões no patrimônio da esposa sem que ela soubesse. O empresário teria uma procuração que o autoriza a gerenciar todos os bens da apresentadora. A divulgação do imbróglio financeiro vem após Alexandre agredir Ana Hickmann e explica porque o empresário se irritou com a ex-modelo e praticou tal violência.

Outros exemplos de violência doméstica incluem: reter salário e cartão de crédito; negar o direito da pessoa trabalhar; impedir que a pessoa tome decisões financeiras ou administre o próprio dinheiro; destruir; coagir a vítima a assinar documentos financeiros contra sua vontade; entre outras práticas.

Em entrevista para o Portal iG, a educadora financeira Luciana Ikedo fala sobre formas de proteger o próprio patrimonio nesses casos. “No caso da apresentadora Ana Hickmann, houve uma delegação total do aspecto financeiro para o cônjuge, tanto do ponto de vista de gestão dos cachês e contratos, gestão do patrimônio financeiro e imobiliário e contração de dívidas”, defende.

“Foram concedidos controle total para outras pessoas, com procurações de plenos poderes, para que fosse feita qualquer negociação no nome delas. Com uma procuração assim, foi dada a possibilidade, por exemplo, de vender e alienar imóveis, abrir e fechar empresas, transferir recursos financeiros e contrair dívidas expressivas”, complementa.

A violência patrimonial se manifesta em todas as classes sociais, no entanto, mulheres em relacionamentos abusivos, idosos, indivíduos LBTQIAP+, pessoas com deficiência (PCDs), imigrantes e refugiados podem apresentar maior vulnerabilidade.

“Delegar plenos poderes financeiros ao outro no relacionamento pode gerar problemas como falta de controle e transparência, risco de abuso ou má gestão, conflitos e vulnerabilidade em casos de separação”, alerta a especialista. “É importante promover diálogo e colaboração na gestão financeira, ao invés de delegar tudo a um parceiro”, reforça Luciana.

“É fácil de entender que com agendas complexas e altamente atribuladas, como no caso das artistas, é preciso recorrer à ajuda para a gestão financeira. Isso acontece com muito mais mulheres do que podemos imaginar, que vivem muitas vezes uma tripla jornada”, relembra.

Isso faz com que sobre menos tempo para gerir o próprio dinheiro e de sequer controlar as movimentações envolvendo o próprio patrimônio. “É imprescindível reservar um momento para controlar o que acontece com as próprias finanças, e oriento às minhas clientes que coloquem isso na agenda. Quando o compromisso fica agendado, com data e horário marcado para acontecer, é mais fácil se organizar para isso. A frequência para esse controle precisa ser, no mínimo, mensal”, explica Ikedo.

“Por maior que seja a confiança em qualquer pessoa, não assine absolutamente nada sem ler. Leia o documento na íntegra e, se tiver qualquer dúvida, esclareça com um profissional antes de assinar. Isso evita ser enganada, mas também, você pode perceber detalhes que a outra pessoa não percebeu”, pontua a especialista.

A especialista é contra o compartilhamento de senhas: “Quando for necessário o acesso de outras pessoas na sua conta, coloque ela como procuradora definindo o que pode e o que não pode ser feito, assegurando que o acesso seja feito com o login e senha dessa pessoa, facilitando o controle e a gestão do risco. No caso do cartão de crédito, quando preciso, solicite um cartão adicional. Com o cartão adicional você conseguirá separar os gastos, controlar o limite e cancelar o cartão caso necessário, sem que isso impacte o seu próprio cartão”, finaliza.

Ana Hickmann finanças finanças pessoais Violência Patrimonial

Esteja sempre por dentro!

Assine nossa newsletter e receba as principais informações em seu e-mail.