São Paulo
26°C
Rio de Janeiro
28°C
Brasília
29°C
Salvador
32°C
Belo Horizonte
28°C
Fortaleza
31°C
Recife
33°C
Manaus
28°C
Curitiba
24°C
Porto Alegre
30°C
Home >> Economia >> Adiantamento de precatórios geraria economia de R$ 33 bi, diz Fazenda

Adiantamento de precatórios geraria economia de R$ 33 bi, diz Fazenda

Com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), o governo realizará pagamentos de R$ 94 bilhões em 2023, R$ 34,2 bilhões em 2025 e R$ 39,7 bilhões em 2026

por

Bruna Correia

13 de dezembro de 2023

IG

Ministério da Fazenda prepara microrreformas para estimular crescimentoMARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

O Ministério da Fazenda divulgou um estudo nesta terça-feira (12), que defende que o adiantamento do pagamento de precatórios resultará em uma economia estimada de cerca de R$ 33,7 bilhões para o governo. Essa economia corresponde aos juros e à correção monetária que seriam acumulados caso o montante fosse quitado em 2027.

O estudo também aponta que o adiantamento dos pagamentos atenua os impactos fiscais e monetários da seguinte forma: caso as dívidas fossem liquidadas integralmente em 2027, estima-se que o governo injetaria na economia a quantia de R$ 201,6 bilhões de uma só vez.

Em 2021, durante o governo de Jair Bolsonaro (PL), foi promulgada uma Emenda Constitucional que fixou um limite para o pagamento de precatórios. Em novembro, o Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu permissão para que o governo de Lula efetue a quitação do estoque atual de precatórios e realize o pagamento dessas dívidas além do limite estabelecido para os anos de 2024 a 2026.

Conforme a Fazenda, o estímulo provocaria uma “forte reação contracionista da política monetária, com efeito em 2028”. Na prática, a concentração do pagamento poderia levar o Banco Central (BC) a elevar as taxas de juros, gerando preocupações quanto à inflação.

Com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), o governo realizará pagamentos de R$ 94 bilhões em 2023, R$ 34,2 bilhões em 2025 e R$ 39,7 bilhões em 2026. A distribuição ao longo do tempo suavizaria o impacto fiscal e a reação da autoridade monetária.

O Ministério da Fazenda argumenta que o efeito resultante incide sobre a dívida governamental em relação ao Produto Interno Bruto (PIB). Com o adiantamento, a relação apresentaria uma variação para baixo entre 0,84 ponto percentual e 1,28 ponto percentual em comparação com o “cenário base” (que prevê o pagamento integral em 2027). As margens fornecidas pelo Ministério da Fazenda têm como variável principal o seu plano para reduzir o déficit público por meio do aumento da arrecadação. Nos cenários em que as receitas se concretizam, os resultados são mais favoráveis.

Na última semana, o Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu autorização ao governo para criar um crédito extraordinário com o propósito de regularizar o passivo de precatórios, que são as dívidas do governo resultantes de sentenças judiciais definitivas (já transitadas em julgado). Conforme a legislação, os créditos extraordinários, geralmente destinados a cobrir despesas emergenciais, encontram-se fora do limite de gastos estabelecido pelo novo arcabouço fiscal.

O relator do processo, Luiz Fux, aceitou parcialmente a solicitação da Advocacia-Geral da União (AGU) para a criação de um crédito extraordinário, com uma estimativa entre R$ 90 bilhões e R$ 95 bilhões. O Supremo Tribunal Federal (STF) também concedeu autorização para que a quitação do passivo não tenha impacto na meta de resultado primário, que representa o resultado das contas do governo, excluindo os juros da dívida pública.

Conforme a declaração oficial do governo, a decisão do Supremo Tribunal Federal restabelece a regularidade histórica no pagamento dos precatórios da União, ao mesmo tempo, em que reestabelece a “harmonia” e o “bom entendimento” entre os Poderes da República. A nota conjunta ressalta ainda que o desfecho do julgamento preserva o novo marco fiscal, sancionado em agosto.

AdvocaciaGeral da União AGU Fernando Haddad haddad Jair Bolsonaro Luiz Fux Ministério da Fazenda Precatórios stf Supremo Tribunal Federal

Esteja sempre por dentro!

Assine nossa newsletter e receba as principais informações em seu e-mail.