São Paulo
15°C
Rio de Janeiro
22°C
Brasília
18°C
Salvador
27°C
Belo Horizonte
19°C
Fortaleza
27°C
Recife
26°C
Manaus
24°C
Curitiba
11°C
Porto Alegre
10°C
Home >> Economia >> A importância do enfrentamento das complexidades da existência humana

A importância do enfrentamento das complexidades da existência humana

Este artigo explora a visão de Freud e a perspectiva de Jesus Cristo sobre a religião

por

Solange Muzy

14 de dezembro de 2023

IG

A natureza da religião: a importância do enfrentamento das complexidades da existênciaFreePik

A relação entre psicanálise e religião é um tema fascinante que tem gerado discussões ao longo dos anos. Sigmund Freud, o renomado fundador da psicanálise, apresentou uma visão crítica sobre a religião, considerando-a uma ilusão que as pessoas utilizam para se protegerem do sentimento de desamparo no mundo. No entanto, contrastando essa visão, Jesus Cristo, uma figura central no cristianismo, teria uma perspectiva diferenciada. Este artigo explora a visão de Freud sobre a religião, destacando suas críticas, e, em seguida, analisa a resposta que Jesus Cristo poderia oferecer em relação a essas ideias.

A Perspectiva de Freud sobre a Religião

Freud via a religião como uma ilusão, um mecanismo de defesa psicológica utilizado pelas pessoas para lidar com o sentimento de desamparo inerente à existência humana. Para ele, a busca por um significado superior e a crença em um poder divino eram manifestações da mente humana para enfrentar a angústia existencial. Nesse contexto, a religião serviria como um suporte psicológico, mas também como uma fuga da realidade.

Freud argumentava que a religião fornecia uma sensação de segurança e conforto, mas, ao mesmo tempo, impedia o enfrentamento direto dos desafios e dilemas da vida. Ele via a fé como uma muleta emocional que as pessoas utilizavam para evitar confrontar a verdade nua e crua da existência.

A Perspectiva de Jesus Cristo sobre a Religião

Em contraste com a visão de Freud, Jesus Cristo, conforme retratado nos ensinamentos do Novo Testamento, tinha uma perspectiva mais positiva sobre a relação entre o homem e Deus. Jesus destacava a importância de reconhecer a própria impotência como um sinal de maturidade espiritual. Ele encorajava a humildade e a dependência de Deus, apresentando a oração como uma forma de se conectar com o Divino.

Jesus não via a religião como uma mera defesa contra a sensação de desamparo; pelo contrário, ele a via como uma resposta positiva a esse sentimento. Reconhecer a própria limitação era, para Jesus, o primeiro passo para uma conexão mais profunda com Deus. A religião, nesse contexto, não era uma fuga da realidade, mas sim uma abertura para um relacionamento significativo com um ser superior capaz de oferecer ajuda e orientação.

Além disso, Jesus expressava descontentamento com o uso distorcido da religião, particularmente criticando os fundamentalistas religiosos de sua época. Ele via a religião como uma estrutura que facilita o relacionamento com Deus, em vez de um conjunto rígido de regras destinadas a fazer as pessoas se sentirem moralmente superiores ou inferiores.

Considerações Finais

Embora Freud e Jesus discordassem fundamentalmente sobre a natureza da religião, ambos reconheciam a importância do enfrentamento das complexidades da existência humana. Enquanto Freud via a religião como uma ilusão defensiva, Jesus a via como uma resposta madura à nossa condição desamparada.

O contraste entre essas perspectivas oferece uma visão interessante sobre a diversidade de opiniões em relação à religião e destaca a complexidade intrínseca dessa temática. Ao considerar essas visões, é possível perceber que, independentemente das divergências, ambas oferecem insights valiosos sobre a natureza humana e a busca por significado na vida.

Espero que você tenha encontrado propósito e significado na leitura, e tenha sido impactado e se encantado pelo artigo!

Quero muito te ouvir e conhecer a sua opinião! Me escreva no e-mail: solange@valor.org.br Até nosso próximo encontro! Solange Muzy

Pronto para desbravar todo o potencial incrível da Capelania Corporativa em sua empresa? Não perca tempo, entre em contato conosco e vamos explorar juntos como podemos ser seu parceiro na jornada de incorporar a Capelania Corporativa em seus programas de saúde mental, qualidade de vida e bem-estar emocional, de maneira verdadeiramente inspiradora.

Inscreva-se em nossa Newsletter e não perca nenhuma das novidades do programa de Spiritual Care do INSTITUTO VALOR: https://www.institutovalor.org.br/capelania/index.php

colunista Solange Muzy

Esteja sempre por dentro!

Assine nossa newsletter e receba as principais informações em seu e-mail.